Conta-ME Histórias, que EU Gosto!… Contas? #15 – LAR DOCE LAR… FINALMENTE, DE VOLTA!


© PP - I'm coming home

© PP – I’m coming home

 

#15 – LAR DOCE LAR… FINALMENTE, DE VOLTA!

 

“A casa é sempre o centro e o sentido do mundo. A partir daí, da casa, percebe-se tudo. Tudo. O mundo todo”. Assim o escreveu Al Berto – malogrado poeta, pintor, editor e animador cultural português -, no seu texto “É Preciso Repensar a Nossa Vida”.

Com efeito, uma grande verdade. Mas quem é que não pensa e repensa a vida, para dela extrair melhor partido? Quem é que não medita as escolhas que se lhe deparam pela frente, por forma a vivê-la – a vida -, da forma mais feliz possível?

Ninguém, certo?! A menos que seja alguém alienado, ou quiçá (?), que menospreze a própria vida!

Filosofando um pouco, façamos uma analogia metafórica entre a vida e a casa, a nossa casa.

Tal como a vida, a nossa casa é, a priori, um templo sagrado pelo qual nutrimos um enorme zelo e estima; uma espécie de abrigo para o nosso corpo e para a nossa alma; o ninho que nos acolhe todos os dias, da chuva, do frio, do vento, do sol, das intempéries climáticas, e das outras, com o mundo.

A casa – a nossa, é muito mais do que um edifício feito de argamassa e coberto de telhas: ela é o nosso lar, onde vivemos os nossos melhores dias, que também incluem os piores e os assim-assim; onde contamos com o colo daqueles que amamos, sejam eles pessoas, animais ou coisas que estimamos.

Vazia ou repleta, a nossa casa vai somando histórias que fazemos questão que perdurem na memória; por isso, “a nossa casa” pode incluir um sem número de casas, aqui e acolá, que inexoravelmente deixam um pouco de si e ficam com um pouco de nós.

A casa, o nosso refugo. É nela que renovamos as nossas forças, descansamos, dormimos, rimos, choramos, sonhamos, amamos… É para onde sempre regressamos em busca de carinho, amor e paz.

E já no regresso, é tão agradável aquela sensação de chegada à porta da nossa casa, onde nos despimos das mesquinhices do mundo.

“Lar doce lar, aqui me tens! Finalmente, de volta!”- Podemos não o dizer, mas seguramente que o pensamos.

 

Skylar Grey – Coming Home, Pt. II

 

© Paula Pedro

 

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: